terça-feira, 9 de maio de 2017

MINI CURSO 9 - REGA

REGA

Nenhum texto alternativo automático disponível.

As orquídeas são mais conhecidas por serem “difíceis” e de “não gostar de água”. Curiosamente, são típicas de países tropicais e úmidos.

O que pode parecer uma das tarefas mais simples a se fazer costuma gerar inúmeras dúvidas, quando vamos por em prática. 

Afinal, com que frequência, e quanto devemos regar nossas orquídeas? 

Todos sabem que a falta d’água pode matar as orquídeas, mas poucos sabem que o excesso de água é uma das maiores causas de morte das orquídeas. 

Molhar demais causa o apodrecimento das raízes, matando a planta.

Saiba o que levar em consideração ao regar:

Tipo de clima: Se muito quente, as regas devem ser maiores e com mais frequência.

Tipo de substrato: Terra e musgo retêm muito mais umidade do que brita, isopor e casca de pínus, por exemplo. 

Tipo de vaso: Vaso plástico mantém a umidade por mais tempo do que vaso de barro, mas cada tipo de material tem seus prós e contras. ...
Estrutura das folhas. ...

DICA:
Para saber se sua orquídea precisa sr regada verifique o substrato colocando um dedo dentro dele. Se sentir úmido NÃO regue.

Sempre deixe secar antes de regar novamente.

CLIMA:

Se muito quente, as regas devem ser maiores e com mais frequência.

A frequência com a qual regar as orquídeas é afetada pelo nível de umidade na sua região, bem como pela quantidade de sol que a planta receberá e pela temperatura do ar.

Como esses fatores mudam de acordo com a região e a casa, não há regras quanto a eles. Você terá que desenvolver uma rotina de acordo com o seu ambiente específico.

Se a temperatura na sua casa for fria, regue com menos frequência do que se for quente.

Se a planta ficar numa janela ensolarada, precisará de mais rega do que se estiver na sombra.

SUBSTRATO:

Terra e musgo retêm muito mais umidade do que brita, isopor e casca de pínus, por exemplo. 

Quanto maiores os pedacinhos que compõem o material, mais rápido a água passa por eles, deixando a orquídea seca em pouco tempo. 

Portanto, orquídeas terrestres podem ser regadas menos vezes na semana, mas as que estão com as raízes nuas ou crescendo sobre árvores precisam de água diariamente. 

Substratos mistos para orquídeas são encontrados em muitas composições, podendo ter pedacinhos de casca de coco, carvão, pínus, fibra de coco, isopor, semente de açaí, capulho de algodão.

VASO:

Vaso plástico mantém a umidade por mais tempo do que vaso de barro, mas cada tipo de material tem seus prós e contras. 

Muitas orquídeas não suportam o calor e abafamento proporcionado pelo plástico, portanto, deixe para usar mais em micro-orquídeas e nas Phalaenopsis (nesse caso, prefira vaso plástico transparente). 

Vasos de fibra de coco retêm bastante água, prefira para micro orquídeas. 

Quanto mais furado e raso o vaso, mais seco ele fica.

PSEUDOBULBOS:

Orquídeas que possuem “gordinhos” (chamados de “pseudobulbos”) exigem menos rega do que as que não têm essas estruturas. 

Os Dendrobium, por exemplo, são plantas mais resistentes ao ar condicionado porque seus caules suculentos armazenam água e nutrientes – podem receber rega apenas uma vez por semana. 

As Phalaenopsis, no entanto, precisam de água até três vezes por semana por terem folhas simples, sem pseudobulbos.

DICA:
Vanda, Ascocenda e Rhyncostylis são alguns dos gêneros de orquídeas que apreciam rega por aspersão: use um borrifador para molhar a planta toda, poupando apenas as flores. 

Já orquídeas terrestres como Cymbidium, Paphiopedilum e Arundina, por exemplo, devem ser regadas como qualquer forração comum, com mangueira ou regador.

A rega ideal é derramar água no substrato em abundância, pelo menos 1 vez na semana, deixando escorrer. Depois, escorra o excedente e devolva a orquídea ao local em que estava.

DICAS: 

Se você estiver na dúvida entre regar ou não, não regue, pois a maioria das orquídeas tolera melhor a falta ao excesso d’água.

Prefira regar pela manhã, para que a água respingada nas folhas, flores e bulbos seque bem.

As folhas não secam bem durante a noite, e folhas mantidas molhadas por longos períodos são mais suscetíveis ao ataque de doenças causadas por fungos e bactérias. Se não puder regar de manhã, regue à tarde, mas evite regar à noite, principalmente se você molhar as folhas durante a rega.

ATENÇÃO!
Cuidado ao regar as Phalaenópsis! Não deixe água parada na axila ("copinho" - foto), se necessário seque com um pano ou cotonetes.
A imagem pode conter: natureza










Não molhe as flores e botões.

Quando a orquídea estiver florescendo ou liberando novas folhas e raízes, precisará de mais água.

O substrato dela deve ser áspero e poroso, permitindo um bom fluxo de ar para as raízes e ainda assim deixando que retenham um pouco de umidade.

Quando a planta estiver descansando entre as florações, usará menos água. Isso acontece geralmente no fim do outono e no começo até o meio do inverno, dependendo da espécie.

Uma planta maior precisará de mais água do que uma menor.

Temperaturas mais frias e pouca luz farão com que a planta precise de menos água.

Condições muito úmidas farão o mesmo. Nas muito secas, ela precisará de mais. Níveis de umidade entre 50 e 60% são os ideais.







Nenhum comentário:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *