segunda-feira, 24 de julho de 2017

DE UM SIMPLES BROTO À FLOR

VAMOS CONHECER COMO UMA ORQUÍDEA CHEGA À FLOR...


Vamos falar das orquídeas Simpodiais, como as Cattleyas, que possuem um crescimento de forma contínua, sempre na horizontal. Geralmente, as simpodias possuem rizoma, que nada mais é que um "caule" que cresce sempre n sentido do substrato ( e que não deve ser "enterrado". é no rizoma que começam os pseudobulbos (mais conhecidos como "bulbo") ou hastes, que crescem com um número definido de folhas (unifoliada ou bifoliada) e depois não crescem mais. O pseudobulbo é responsável pela reserva de água e nutrientes das orquídeas e é de onde nascem as folhas, espatas e flores.


O início se dá através da GEMA ou seja, um broto, que inicialmente em dormência tem a forma de uma "olho" e que fica, em uma extremidade do rizoma, geralmente na base do pseudobulbo já maduro e que logo se transformará em um pseudobulbo novo. 


A gema vai aos poucos aumentando seu tamnho e tomando uma forma mais arredondada e pontuda e, pode-se observar o surgimento das primeiras bainhas que envolvem o pseudobulbo. Estas bainhas vão proteger o pseudobulbo até sua completa formação e podem ter a coloração arroxeada. Nesta fase, o crescimento segue o do rizoma, como um prolongamento deste, para depois se curvar para cima.



A partir deste momento o pseudobulbo inicia a adquirir a posição vertical mas, pode seguir a direção da luminosidade. Por isso, é tão importante deixar a frente a orquídea, onde nascem os brotos voltados para onde vem mais luz. 

Nesta fase as bainhas são maiores e se observarmos bem, veremos a formação de novas raízes.

Na foto abaixo, pode-se ver que as bainhas já deram lugar à folha verdadeira.




 Após a emissão de folhas novas inicia-se a formação de espatas, botões e flores. Nas fotos abaixo, o desenvolvimento da minha Cattleya Forbesii.

De todo o processo citado acima, talvez seja esta fase do desenvolvimento a mais importante, e por que não dizer, a mais crítica, pois agora o que predomina é o crescimento celular, que fará com que adquiram o tamanho normal da espécie (pseudobulbo, folhas, espatas e flores) e não se pode deixar de faltar cuidados essenciais com as regas, pois a planta se torna mais sensível a falta.









Nesta fase inicia-se a maturação da porção inicial do rizoma, observada pelo amarelamento e posterior seca das bainhas. Sendo esta a fase ideal para o tutoramento, pois os pseudobulbos estão mais flexíveis.

DICA: após as bainhas estarem secas, aconselho a retirá-las com cuidado para não estressar a planta. A retirada se faz necessária pois é um esconderijo preferido das cochonilhas.


Nenhum comentário:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *